Doar sangue é um ato de solidariedade e cidadania

Doar sangue é um ato de solidariedade e cidadania

TRE-PR-doe-sangue_inter.jpg

No dia 14 de junho foi celebrado o Dia Mundial do Doador de Sangue. No Brasil, esse mês é chamado de Junho Vermelho devido à iniciativa do Movimento “Eu Dou Sangue”, criado em 2011 no estado de São Paulo, cujo objetivo é incentivar a doação regular de sangue. Referido movimento entende que se trata de ato de solidariedade, aproximando as pessoas envolvidas, sobretudo em razão do sangue não possuir raça, gênero, sexo ou religião. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), recomenda-se que ao menos 5% da população seja doadora regular de sangue, entretanto, o Brasil não atinge nem 2% dessa meta. Esse quadro fica ainda mais preocupante com a chegada do inverno, visto que apresenta uma queda de aproximadamente 30%. A doação é responsável por salvar milhares de vidas em virtude de não existir, no atual estágio da ciência, um substituto para o sangue e, em consequência, o singelo gesto de apenas um doador, que pode beneficiar até quatro pessoas, é louvável e imprescindível. Com o intuito de propagar a importância da doação e aderindo à Campanha Junho Vermelho, a estufa do Jardim Botânico e a Casa da Praça do Japão em Curitiba estão iluminadas na cor vermelha. No TRE/PR, entre servidores e estagiários, verifica-se um número significativamente baixo de doadores voluntários e regulares. Nesse sentido, em 2016, aproximadamente 140 servidores doaram sangue. Dentre estes, Alessandra Zulai, servidora da 108ª Zona Eleitoral - Nova Fátima, começou a doar sangue porque sabia que poderia ajudar muitas pessoas de maneira fácil e tranquila, além do “sentimento bom de ter tentado ajudar as pessoas”. Para a estagiária Dienifer Lacerda, da 143ª Zona Eleitoral - Cascavel, doadora regular desde 2015, “doar sangue proporciona a sensação incrível de saber que ajudou a salvar a vida de alguém”. O servidor Douglas Ananias, da 150ª Zona Eleitoral - Santa Fé, é doador de sangue há 15 anos depois de ter participado de uma campanha promovida pelo Tiro de Guerra em 2002, ano em que prestou serviço militar obrigatório.
Os requisitos para a doação de sangue são: ser maior de 18 anos ou acima de 16 com o consentimento dos pais ou responsável legal; peso acima de 50 quilos; não ter ingerido bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação e não estar em jejum. A frequência máxima é de quatro doações anuais para o homem e de três doações para as mulheres. Com o objetivo de estimular a doação de sangue, a lei concede aos servidores públicos a dispensa de um dia de trabalho, conforme Lei nº 8.112. A CLT também confere o mesmo benefício aos empregados de empresas privadas. O doador de sangue, tem, também, o benefício da meia-entrada na compra de ingressos para shows, cinema e teatro, de acordo com a Lei Estadual nº 13.964/2002. Se doar sangue é um ato de solidariedade, cidadania e não custa, a pergunta que fica é: Por que não doar? Em Curitiba, os interessados podem procurar o Hemepar, localizado na Travessa João Prosdócimo, 145 – Alto da XV, de segunda a sexta-feira, das 7:30 às 18:30 e sábado, das 8 às 18 horas.

 

Fontes: Pesquisa realizada nos sites:

 www.saude.gov.br

www.saude.pr.gov.br

www.eudousangue.com.br

Por Emmanuel Andre Maier  e Rubiane B. B. Kreuz  - Assessoria de Comunicação Social

Imagem: Vilmar Chequeleiro - Assistência de Produção Audiovisual

 

 

Últimas notícias postadas

Recentes