Desembargador Fernando Quadros da Silva, da Corte do TRE-PR, será vice-presidente no TRF4

Na Justiça Eleitoral do Paraná, desembargador ocupa desde junho de 2020 a vaga destinada aos juízes federais

Fotografia do desembargador durante uma sessão da Corte

O juiz membro da Corte do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) desembargador Fernando Quadros da Silva foi eleito vice-presidente da próxima administração do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre. Na Justiça Eleitoral do Paraná, o desembargador ocupa desde junho de 2020 a vaga destinada aos juízes federais. A nova gestão do TRF4 terá início em 21 de junho, quando os eleitos tomarão posse.

O desembargador federal Ricardo Teixeira do Valle Pereira foi escolhido para ser o presidente do Tribunal, enquanto o desembargador Cândido Alfredo Silva Leal Júnior exercerá o cargo de corregedor regional.

A eleição ocorreu nesta segunda-feira (12), durante sessão telepresencial do Plenário Administrativo do TRF4. Foi a primeira vez, em sua história de 32 anos, que o Tribunal realizou a escolha de seus dirigentes em ambiente virtual, em vez de reunir os desembargadores no recinto do Plenário para a efetivação do pleito.

O desembargador Fernando Quadros da Silva tem 57 anos e nasceu em União da Vitória (PR). Formou-se em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba (Unicuritiba) em 1988. É especialista em Direito Penal (1997) pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Direito do Estado (2001) pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e doutor em Direito (2012) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Texto: Melissa Medroni com informações do TRF4
Foto: Arquivo TRE-PR
Coordenação: Rubiane Barros Barbosa Kreuz
CCS/TRE-PR

Siga-nos no Twitter, Instagram, SoundCloud, TikTok e LinkedIn

Curta nossa página oficial noFacebook

Acompanhe nossas galerias de fotos noFlickr

Inscreva-se em nosso canal noYouTube

Últimas notícias postadas

Recentes

#Dica3 Linguagem Cidadã: flexão de gênero

Resolução CNJ n º 376 instituiu o emprego da flexão de gênero para nomear profissão ou demais designações na comunicação social e institucional do Poder Judiciário nacional